Páginas

2 de dez de 2010

Deus mesmo é o bem que Ele concede - Jonathan Edwards


Deus não perde coisa alguma da sua bondade, pois ele é o bem que ele concede

A disposição de Deus de fazer a sua plenitude infinita fluir pode ser chamada corretamente de bondade, pois o bem que ele comunica é aquilo em que se deleita, do mesmo modo que se deleita com sua glória. Na comunicação da bondade, a criatura não é menos beneficiada, nem a disposição divina se mostra menos propensa a buscar o benefício da criatura. Assim também, a disposição de Deus de difundir o seu bem não é menos excelente, pois implica o amor de Deus por si mesmo. Esse amor, por sua vez, não implica outra coisa senão o que é digno e excelente. A emanação da glória de Deus é, em si mesma, digna e excelente, de modo que Deus se deleita nela, e esse deleite fica implícito no seu amor por sua plenitude, pois essa é a fonte, a síntese e a abrangência de tudo o que é excelente.
O fato de Deus agir em razão do deleite em sua glória não deprecia a generosidade da sua ação.

Do mesmo modo, a inclinação de Deus para comunicar o bem por deferência a si mesmo ou por deleite na sua glória não deprecia, de maneira alguma, a generosidade de sua beneficência. Esse fato fica claro ao se considerar particularmente os modos pelos quais fazer o bem a outros por amor-próprio podem ser incoerentes com o desprendimento da beneficência. A meu ver, existem apenas dois modos:

A benevolência desinteressada consiste em agir desse modo por prazer

Quando alguém faz o bem a outrem em decorrência de um amor-próprio restrito, que é o oposto de uma benevolência geral, esse tipo de amor-próprio é chamado corretamente de egoísmo. Em certo sentido, a pessoa mais benevolente e generosa do mundo busca apropria felicidade ao fazer o bem a outros, pois, para ela, a felicidade se encontra no bem dos outros. Sua mente é expandida para incluir os outros. Assim, quando os outros estão felizes, a pessoa sente essa felicidade ao participar com eles dessa alegria. Não se trata de algo incoerente com o desprendimento da beneficência; ao contrário, é o que constitui a benevolência e a amabilidade. A beneficência mais abnegada que pode existir no homem é fazer o bem, não em decorrência do egoísmo restrito, mas de uma inclinação para a benevolência geral ou para o amor à existência em geral.

2 comentários:

Nice Oliveira disse...

O Senhor Deus é o nosso bem maior!!!
Deus seja Louvado!

2 de dezembro de 2010 18:53
Luciano disse...

Eu tomei a liberdade de postar também, esse maravilhoso texto em meu Blog, valeu?
PAZ de CRISTO para os irmãos.
http://lucianoac.blogspot.com/

19 de abril de 2011 18:12

Postar um comentário

 
Jonathan Edwards | by ©2010