Páginas

4 de mar de 2010

Quando Deixarmos o Corpo - Jonathan Edwards

“Quando deixarmos o corpo, [vamos] habitar com o Senhor" (2 Co 5.8).

Não permane­cemos para sempre neste tabernáculo terrestre. Ele é muito frágil e logo se deteriorará e cairá, estando continuamente sujeito a ser vencido por inumeráveis expedientes. Nossa alma em breve terá de deixar o corpo e entrar no mundo eterno. Quão infinitamente grande será o privilégio e felicidade dos que, naquele momento, irão estar com Cristo na sua glória da maneira como foi represen­tada!

O privilégio dos doze discípulos foi grande por estarem cons­tantemente com Cristo como sua família, no seu estado de hu­milhação. O privilégio dos três discípulos foi grande por estarem com Ele no monte da transfiguração, onde lhes foi mostrada uma semelhança lânguida da futura glória dEle no céu, como eles já viam seguramente no estado fraco, frágil e pecador. Eles ficaram tão encantados com o que viram que desejaram fazer tabernáculos para morar neles e não descer mais do monte. Também foi grande o privilégio de Moisés quando esteve com Cristo no monte Sinai e lhe pediu que mostrasse a sua glória, quando o viu pelas costas ao passar e o ouviu proclamar seu nome.

Quanto maior é o privi­légio de estarmos com Cristo no céu, onde Ele se assenta a direita de Deus, como Rei e Deus dos anjos e do universo, brilhando como a grande luz, o sol brilhante daquele mundo de glória para ali habitarmos na visão plena, constante e perpétua da sua beleza e brilho, conversarmos com Ele, livre e intimamente, desfrutarmos seu amor inteiramente, como amigos e cônjuge, compartilharmos com Ele no infinito gozo de seu Pai! Quão transcendente é o pri­vilégio de nos assentarmos com Ele no trono para reinarmos com Ele na posse plena de todas as coisas, participarmos com Ele da alegria e glória da vitória sobre os inimigos e da promoção do Reino no mundo e unirmo-nos com Ele nos alegres cânticos de louvor ao seu Pai e nosso Pai, para sempre e sempre! Este não é um privilégio digno de ser buscado?

0 comentários:

Postar um comentário

 
Jonathan Edwards | by ©2010