Páginas

15 de mar de 2010

Gozo maior que o dos Anjos - Jonathan Edwards


Os santos no céu participam com Cristo das bem-aventuranças que Ele tem no gozo de seu Pai.

Quando Cristo ascendeu ao céu, Ele foi recebido a uma bem-aventurança peculiar no gozo do Pai que, na paixão, escondeu-se da face de Jesus. Este gozo tornou-se relação na qual Ele estava com o Pai e foi uma recompensa satisfatória pelo grande e difícil serviço que Ele executara na terra. Deus lhe mostrou o caminho da vida e o trouxe à sua presença, onde há abundância de alegrias, para se assentar à sua mão direita, onde há satisfação eterna, como está escrito em Salmos 16.11. O Pai o fez abençoado para sempre. Ele o encheu de gozo com o seu semblante (SI 21.6). Os santos através da união com Cristo, participam da relação filial dEle com o Pai e são herdeiros com Ele da felicidade no gozo do Pai, como está indicado pelo apóstolo Paulo em Gálatas 4.4-7. A esposa de Cristo, em virtude das suas bodas com o Filho Unigênito de Deus, é participante da relação filial dEle com Deus e se torna a filha do rei (SI 45.13), e assim participa com seu marido divino, no gozo de seu Pai. Temos essa promessa implícita nas palavras de Cristo ditas a Maria em João 20.17. Assim os servos fiéis de Cristo entram no gozo do seu Senhor e a alegria de Cristo permanece neles, de acordo com as palavras de Cristo registradas em Mateus 25.21-23 e João 15.11. Cristo, desde a eternidade, está no âmago do Pai como o objeto de sua amabilidade infinita. NEle está a felicidade eterna do Pai. Antes que o mundo existisse, Ele estava com o Pai, no gozo do seu amor infinito, e tinha infinito prazer e bem-aventurança, como Ele declara sobre si mesmo em Provérbios 8.30: "Então, eu estava com ele e era seu aluno; e era cada dia as suas delícias, folgando perante ele em todo o tempo".

Quando Cristo ascendeu ao Pai após a sua crucificação, Ele foi para Ele, para o gozo da mesma glória e bem-aventurança, no gozo do seu amor, de acordo com a oração que Ele fez na noite antes da crucificação:  "E, agora, glorifica-me tu, ó Pai, junto de ti mesmo, com aquela glória que tinha contigo antes que o mundo existisse" (Jo 17.5). Na mesma oração, Ele manifesta ser sua vontade que os verdadeiros discípulos estejam com Ele no gozo daquela alegria e glória, as quais Ele pediu para si mesmo: "Para que tenham a minha alegria completa em si mesmos" (Jo 17.13); "E eu dei-lhes a glória que a mim me deste" (Jo 17.22). Esta glória e alegria de Cristo, que os santos devem desfrutar com Ele, é o que Ele tem no gozo do amor infinito de seu Pai, descrita pelas últimas palavras dessa oração de nosso Senhor: "Para que o amor com que me tens amado esteja neles, e eu neles esteja" (Jo 17.26). O amor que o Pai tem no Filho é realmente grande. A deidade, por assim dizer, flui de maneira completa e plena numa corrente de amor para Cristo, e a alegria e o gozo de Cristo são proporcionalmente grandes o qual Ele fará os santos beberem com Ele, segundo as palavras do salmista: "Eles se fartarão da gordura da tua casa, e os farás beber da corrente das tuas delícias; porque em ti está o manancial da vida; na tua luz veremos a luz" (SI 36.8,9).

Os santos terão gozo ao participarem com Cristo em seu gozo e verão luz na sua luz. Eles participarão com Cristo do mesmo rio de gozo, beberão da água da vida e do mesmo vinho novo no Reino do Pai (Mt 26.29). Esse vinho novo é a alegria e felicidade nas quais Cristo e os verdadeiros discípulos participarão juntos na glória, a qual foi comprada pelo sangue de Cristo ou a recompensa da sua obediência até a morte. Cristo, em sua ascensão ao céu, foi recebido à mão direita do Pai no gozo do seu amor como recompensa por sua obediência até a morte. Mas a mesma justiça é considerada tanto para o Cabeça quanto para os membros, e ambos terão comunhão na mesma recompensa, cada um de acordo com sua capacidade distinta.

O fato de os santos no céu participarem com Cristo do seu gozo com o Pai, manifesta a excelência transcendente da felicidade de¬les e a realidade de eles serem admitidos a um privilégio imensamente mais alto em glória do que os anjos.


0 comentários:

Postar um comentário

 
Jonathan Edwards | by ©2010