Páginas

28 de jan de 2010

Doutrina e Exemplo - Jonathan Edwards


Por Jonathan Edwards
Presidente da Universidade de Princeton - 1758

Existem duas maneiras para representar e recomendar a verdadeira religião e a virtude ao homem — uma é mediante a doutrina e o preceito; a outra é por instância e exemplo. Ambas são abundantemente usadas nas Sagradas Escrituras. 

Deus também, na sua providência, tem se inclinado a fazer uso de ambos esses métodos para trazer luz e motivações à humanidade para que ela cumpra seus deveres, em todas as épocas. Ele tem, de tempos em tempos, levantado ensinadores eminentes para exibirem e darem testemunho da verdade pela sua doutrina, e para oporem-se aos erros, às trevas e à impiedade do mundo. Também Ele tem levantado pessoas eminentes que têm deixado brilhantes exemplos daquela religião que é ensinada e prescrita na Palavra de Deus; exemplos esses que, no curso da providência divina, têm sido mostrados ao povo. 

Um exemplo assim temos na excelente pessoa cuja vida é publicada nestas páginas. Seu exemplo é visto com uma grande variedade de circunstâncias tendentes a prender a atenção do povo religioso. Ele foi o instrumento de um mui notável despertamento, uma maravilhosa e permanente alteração e transformação moral de pessoas que tornam a mudança peculiarmente rara e admirável. 

No relato que segue, o leitor terá a oportunidade de ver não somente quais foram as circunstâncias externas e notáveis desta pessoa, seu comportamento, e como gastou seu tempo, dia após dia, mas também o que se passava em seu próprio coração. Aqui, o leitor verá a maravilhosa mudança que ele experimentou em sua mente e em sua disposição; verá a maneira como aquela mudança foi operada, como continuou, quais foram suas conseqüências na disposição íntima dele, nos seus pensamentos, afeições e exercícios secretos, através de muitas dificuldades e provas por mais de oito anos. 

Estou longe de supor que os exercícios e as experiências internas de Brainerd, ou sua conduta externa, estiveram livres de imperfeição. O exemplo de Jesus Cristo é o único que já existiu, na natureza humana, totalmente perfeito; o que, portanto, é um critério para testar todos os outros exemplos. As disposições, as atitudes e as práticas de outros devem ser recomendadas e seguidas na medida que foram seguidoras de Cristo. 

Há uma coisa facilmente discernível na vida de Brainerd, que por muitos pode ser considerada uma objeção às evidências extraordinárias de sua religiosidade e devoção, a saber, que ele era, por sua própria constituição e temperamento natural, muito inclinado para a melancolia e desânimo de espírito. Há quem pense que a religião é algo melancólico e que aquilo que se chama de experiência cristã é pouco mais do que melancolia, que perturba o cérebro e excita imaginações entusiásticas. 

Mas, ainda que o temperamento e a constituição de Brainerd o inclinassem ao desalento, não é justo supor que sua extraordinária devoção fosse apenas o fruto de uma imaginação calorosa. A despeito dessa inclinação para o desânimo, é claro que ele era um daqueles homens que, usualmente, vivem bem longe de uma imaginação fervilhante, sendo dotado de um gênio penetrante, de pensamento claro, de raciocínio lógico e de julgamento muito exato, como era patente para todos que o conheciam. Possuidor de grande discernimento da natureza humana, perscrutador e judicioso em geral, ele também sobressaía em juízo e conhecimento teológico, e, sobretudo, na religião experimental. 

Ele distinguía claramente entre a piedade real, sólida, e o mero entusiasmo; entre aquelas afeições que são racionais e bíblicas, alicerçadas sobre a luz e o bom juízo, e aquelas baseadas em presunções excêntricas, com impressões fortes na imaginação e em emoções veementes dos espíritos animalescos. Era extremamente sensível à exposição dos homens à estas impressões, à quão extensivamente elas tinham prevalecido, à quantas multidões tinham sido enganadas, às suas perniciosas conseqüências, e ao temível prejuízo que elas têm feito no mundo cristão. Brainerd não confiava nesse tipo de religião e tinha farto testemunho contra ele. Ele percebia de imediato quando coisas dessa natureza surgiam, ainda em seus estágios primários, disfarçadas da maneira mais plausível e aparentemente justa. Ele tinha um talento, como nunca vi igual, para descrever as várias operações dessa religião entusiástica e imaginária, desmascarando sua falsidade e vaidade e demonstrando a enorme dife rença entre ela e a autêntica devoção espiritual. 

Seu espírito judicioso não transparecia somente quando distinguia entre as experiências alheias, mas também entre os vários exercícios de sua própria mente, em particular ao discernir o quê, em seu próprio íntimo, devia ser lançado na conta da melancolia, no que ele excedeu a todas as pessoas melancólicas que conheci. Sem dúvida, isso devia-se à profundeza de seu juízo; pois é deveras raro que pessoas, sob a influência da melancolia, mostrem-se sensíveis para com sua própria fraqueza, reconhecendo que os seus frutos e operações deveriam ser atribuídos a mesma. 

Brainerd não adquiriu esse grau de habilidade com rapidez, mas gradualmente; e isso o leitor poderá discernir através deste relato de sua vida. Na parte inicial de sua carreira religiosa, ele atribuía muito desse tipo de tristeza mental ao afastamento espiritual, ao passo que na segunda metade de sua vida reconhecia que era devido à doença de melancolia; conforme freqüentemente fez menção de modo claro em seu diário, atribuindo seus surtos de tristeza a essa causa. Em suas conversações, por muitas vezes referiu-se à diferença entre a melancolia e a tristeza piedosa; entre a verdadeira humilhação e o afastamento espiritual; e também sobre o perigo de confundir uma coisa com a outra, e sobre a natureza mui prejudicial da melancolia. Discursava com grande discernimento sobre ela, sem dúvida, com muito mais profundidade com base naquilo que conhecia por experiência própria. 

Uma outra imperfeição em Brainerd, que pode ser observada neste relato de sua vida, é que ele era excessivo em seus labores, não levando em conta a devida proporção entre a sua própria fadiga e as suas forças. De fato, os aparentes chamados da Providência, eram, por muitas vezes, extremamente difíceis, levando-o a labutar acima de suas próprias forças. Sem dúvida, as suas circunstâncias e atividades como missionário entre os índios eram tais que tornavam-se inevitáveis grande fadiga física e dificuldades. No entanto, finalmente deixou-se convencer de que estava errando quanto a essa questão e que deveria ter exercido maior cautela, mostrando-se mais resoluto a resistir à tentação para um tal grau de trabalho que lhe prejudicava a saúde. Foi em consonância com isso que advertiu a seu irmão, que o sucedeu no campo missionário, a ser cuidadoso para evitar esse erro. 

Além das imperfeições mencionadas, pode-se admitir prontamente que havia algumas imperfeições que lhe marcaram pela vida toda, misturadas a seus afetos e exercícios religiosos, havendo alguma mistura do que era espiritual com o que era natural, tal como acontece com os melhores santos neste mundo. Sem dúvida, o temperamento natural tinha alguma influência nos exercícios religiosos de Brainerd, como visível mente tinha em homens devotos como Davi e os apóstolos Pedro, João e Paulo. Não há dúvida que sempre havia alguma mescla de melancolia com verdadeira tristeza piedosa e real humildade cristã; alguma mistura do fogo natural da juventude com o seu zelo santo por Deus; e também alguma influência de princípios naturais misturados com a graça divina em vários outros aspectos, como sempre foi e será com os santos, enquanto eles estão neste lado do céu. Talvez ninguém se mostrasse mais sensível para com as imperfeições de Brainerd do que ele mesmo; ou talvez ninguém pudesse detectá-las melhor, distinguindo o que era natural da­quilo que era espiritual. É fácil para o leitor cuidadoso observar que à medida que as graças amadureciam nele, os exercícios religiosos de seu coração tornavam-se mais e mais puros; e quanto mais ele vivia, mais perspicaz ficava em seu juízo. Ele tinha muito para purificar e ensinar a si mesmo e não falhou em beneficiar-se. 

Apesar de todas essas imperfeições, todo leitor piedoso e cuidadoso reconhecerá de pronto que aquilo que aqui expomos é uma notável demonstração da verdadeira e eminente piedade, no coração e na prática — tendendo grandemente a confirmar a realidade da religião vital e do poder da piedade. Isso é mui digno de imitação, em vários sentidos calculado para promover o benefício espiritual de observadores atentos. 

O leitor deve tomar consciência de que aquilo que Brainerd escreveu em seu diário, do qual esta narrativa de sua vida foi principalmente tirada, foi registrado para seu próprio uso, e não a fim de conquistar o aplauso e honra humanos, nem com o propósito de ser apreciado pelo mundo, nem enquanto vivia nem após a sua morte. Só não foi para seu uso algumas poucas coisas que escreveu, já quase à morte, depois de ter sido persuadido, com dificuldade, a não suprimir inteiramente todos os seus escritos privados, Ele mostrou-se quase invencivelmente contra a publicação de qualquer porção do seu diário, depois que morresse. E quando ele pensava que estava morrendo, em Boston, deu as mais estritas e decisivas ordens sobre isto. Mas depois que alguns de seus amigos dali conseguiram convencê-lo, ele retirou essa proibição estrita e absoluta, tendo cedido até ao ponto em que seus papéis fossem deixados em minhas mãos, a fim de que eu dispusesse deles conforme eu pensasse "redundar mais para a glória de Deus e para o interesse da religião".  

0 comentários:

Postar um comentário

 
Jonathan Edwards | by ©2010